Alunos analisam impacto da reciclagem de lixo

 
Para entender a real importância de algo, nada melhor do que conhecê-lo in loco. Durante toda a manhã de ontem, cerca de 40 alunos da escola Guedes de Azevedo visitaram os rios Bauru e Batalha e o aterro sanitário, que recebe cerca de 220 toneladas de lixo por dia. Eles analisaram a qualidade da água dos dois rios e descobriram o impacto que o lixo pode causar ao meio ambiente.

A primeira parada foi no rio Bauru, que recebe cerca de 93% do esgoto in natura produzido pela população de Bauru. “O ambiente é ácido, com pouco oxigênio, muita matéria orgânica em decomposição, com turbidez no nível 80, quando o ideal é zero. Isso indica que o rio que leva o nome da cidade está completamente poluído”, revela Roberto Pallotta, coordenador pedagógico da escola, que trabalha há 12 anos com gestão ambiental.

Depois disso, as crianças foram até o Centro de Educação Ambiental do DAE e à estação de captação e tratamento de água, no rio Batalha. “Assim, elas conhecem o local de onde vem a água, acompanham todo o processo que é feito até ela chegar às torneiras e percebem que ela (água), na natureza é muito diferente em relação àquela que eles estão acostumados”, diz Pallotta.

Protegendo os narizes do cheiro exalado pelo lixo, eles percorreram o aterro sanitário da cidade, ativo desde 1992. Após serem alertadas sobre a importância de não jogar lixo nas ruas e rios, as crianças perceberam que a reciclagem e a diminuição da produção de dejetos também são atitudes que contribuem para a manutenção do meio ambiente.